Da qualidade das democracias

Os males da ignorância popular correlacionam-se causalmente com a má qualidade da democracia que é vigente em quase todas as comunidades políticas  de carácter nacional.

  1. A qualidade da democracia é determinada pela qualidade da participação.
  2. A qualidade da participação é, actualmente, insatisfatória.
  3. Logo, a qualidade da democracia actual é insatisfatória.

A primeira premissa está fundamentada na neutralidade da democracia enquanto processo de decisão política.  A democracia, per se, é uma ferramenta, que se presta aos critérios da sua utilização. A má utilização da ferramenta não é argumento plausível para que a vilipendiemos, mas para que aprendamos a utilizá-la melhor.

Parece-nos a nós que, actualmente, a maioria da população não exerce qualquer tipo de poder real. É, de facto, a justificação para a segunda premissa. As vontades do corpo eleitoral são influenciadas acriticamente através da retórica insubstanciada dos partidos políticos e dos outros agentes da arena política. As massas, pouco dotadas de análise crítica, aceitam as proposições que mais se adequam aos seus preconceitos, por oposição àquilo que é mais sensato.

Esta crítica é especialmente cáustica face à Democracia Representativa. Os cidadãos delegam as suas responsabilidades a terceiros, baseando-se no pressuposto que os tais representantes agem na defesa dos seus melhores interesses. Cremos que este tipo de Democracia é mais susceptível às vicissitudes do acriticismo popular, pois é facilmente conducente à apatia: “vota, e deixa-os governar”. A apatia face ao processo político, quando em conjunto com a falta de educação nas matérias políticas e cívicas é perniciosa, e retira qualquer poder real que os cidadãos possuam.

Identificámos, deste modo, os três factores determinantes da segunda premissa: a falta de esclarecimento, a falta de pensamento crítico e a apatia. Se o povo é pouco esclarecido, acrítico e apático, segue-se que a democracia será igualmente má, pouco mais que uma tirania autocrática.

A chave para resolver todos estes males encontra-se numa educação realmente estruturante, que forneça ao cidadão o conhecimento e as faculdades críticas que lhe permitam tomar as melhores decisões. O Homem educado não é presa fácil para o discurso florido ou emocionalmente carregado. É um Homem capaz de reconhecer as suas necessidades, assim como as da Pólis, e formular as melhores proposições no sentido de as satisfazer, de forma harmoniosa. É o Homem que influencia e é influenciado através de argumentos, ao invés de meras asserções.

Se bem que o aumento da educação não é condição suficiente para o aumento da qualidade da democracia, achamos que vale a pena tentar incutir certas virtudes cívicas e cultivar o conhecimento sobre as questões humanas: apesar de não serem suficientes por si só, são um elemento chave. O indivíduo ignorante não tem qualquer hipótese de afectar, de forma realmente significante, o processo político.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Súbditos não! Somos Cidadãos!

Monismos

Categorias do Ser

Micro-solipsismos


%d bloggers like this: